Siga nossas Redes Sociais

Festa da Divina Misericórdia

16/04/2023 . Formações

“Desejo que o primeiro domingo depois da Páscoa seja a Festa da Misericórdia”

(Diário de Santa Faustina, nº 299)

A Festa da Misericórdia é celebrada no primeiro domingo depois da Páscoa, ou seja, o Segundo Domingo da Páscoa, agora chamado Domingo da Divina Misericórdia. No dia da canonização da Irmã Faustina, 30 de abril de 2000, o Papa anunciou esta festa para toda a Igreja.
O estabelecimento desta festa foi inspirado pelo desejo de Jesus que foi transmitido pela Irmã Faustina. O Senhor Jesus disse-lhe: “Desejo que o primeiro domingo depois da Páscoa seja a Festa da Misericórdia” (Diário 299).

Quero que a Festa da Misericórdia seja refúgio e refúgio para todas as almas, especialmente para os pobres pecadores. Neste dia, abrem-se as entranhas da Minha misericórdia, derramo todo um mar de graças sobre as almas que se aproximam da fonte da Minha misericórdia. Cujas almas se confessarão e comungarão, receberão o perdão completo dos pecados e castigos. Nesse dia se abrem todas as comportas de Deus por onde fluem as graças (Diário 699).

A preparação para esta festa será uma novena que Jesus mandou escrever e rezar antes da Festa da Misericórdia, começando na Sexta-feira Santa – D. 1209, acompanhada do Terço da Misericórdia.
O Senhor me disse para rezar o Terço da Misericórdia por nove dias antes da Festa da Misericórdia. Devo começar na Sexta-feira Santa – Através dessa novena concederei às almas toda espécie de graça.” (D. 796)
A Festa da Misericórdia tem a mais alta posição entre todas as formas de culto da Divina Misericórdia pela grandeza das promessas e lugar na liturgia da Igreja. O Senhor Jesus falou pela primeira vez de seu desejo de estabelecer esta festa quando transmitiu sua vontade sobre a criação da imagem: Eu quero – disse à Irmã Faustina em fevereiro de 1931 – que haja uma festa da Misericórdia. Quero que esta imagem que pintas com pincel seja solenemente abençoada no primeiro domingo depois da Páscoa, este domingo seja a Festa da Misericórdia (Diário 49). Nos anos seguintes, o Senhor Jesus retomou o assunto em cerca de uma dezena de revelações, nas quais não só especificava o lugar desta festa no calendário litúrgico, mas também dava a razão de seu estabelecimento, a forma de sua preparação e celebração e as graças a ela associadas.
A escolha do primeiro domingo depois da Páscoa não é acidental – este dia cai na oitava da Ressurreição do Senhor, que encerra a celebração do Mistério Pascal de Cristo. Este período da liturgia da Igreja mostra mais claramente do que os outros o mistério da misericórdia de Deus, que se revelou plenamente precisamente na paixão, morte e ressurreição de Cristo. Estabelecer a Festa da Divina Misericórdia nas imediações da liturgia da Paixão e Ressurreição de Cristo enfatiza a fonte e o tema dos mistérios da fé vividos. É, naturalmente, a misericórdia de Deus. Em outras palavras, não haveria obra redentora se não houvesse misericórdia de Deus. (CINSM)

Quais são as razões para estabelecer uma nova festa no calendário litúrgico da Igreja?

O Senhor Jesus dá-lhes, dizendo: As Almas se perdem, apesar da Minha amarga Paixão. Estou lhes dando a última tábua de salvação, isto é, a Festa da Minha Misericórdia (Diário 965). O último recurso é escapar para a Misericórdia de Deus. No entanto, para usá-la, é preciso saber que ela existe, é preciso conhecer a Deus no mistério de sua misericórdia e voltar-se para Ele com confiança, e esse conhecimento é fomentado com o estabelecimento de uma festa separada, porque presta atenção especial a este atributo de Deus.
No dia da festa, a imagem da Misericórdia seja solenemente consagrada e venerada publicamente, e os sacerdotes preguem sobre a misericórdia de Deus e inspirem confiança nas almas. Os fiéis devem viver este dia com o coração puro, no espírito desta devoção, ou seja, numa atitude de confiança em Deus e misericórdia para com o próximo. O primeiro domingo depois da Páscoa é a Festa da Misericórdia, mas deve haver uma ação; e exijo a veneração da Minha misericórdia celebrando solenemente esta festa e honrando esta imagem (Diário 742) .
A Festa da Misericórdia não é apenas um dia de grande veneração a Deus no mistério da sua misericórdia, mas também um dia de grande graça, porque o Senhor Jesus fez grandes promessas com ele. A maior delas diz respeito à graça do perdão completo dos pecados e dos castigos: “A alma que se confessar e comungar alcançará o perdão das culpas e das penas” (Diário 699).

Em 2002 o Papa João Paulo II estabeleceu que a Festa da Misericórdia fosse enriquecida com Indulgências Plenárias:

“Concede-se a Indulgência plenária nas habituais condições (Confissão sacramental, Comunhão eucarística e orações segundo a intenção do Sumo Pontífice) ao fiel que no segundo Domingo de Páscoa, ou seja, da “Misericórdia Divina”, em qualquer igreja ou oratório, com o espírito desapegado completamente da afeição a qualquer pecado, também venial, participe nas práticas de piedade em honra da Divina Misericórdia, ou pelo menos recite, na presença do Santíssimo Sacramento da Eucaristia, publicamente exposto ou guardado no Tabernáculo, o Pai-Nosso e o Credo, juntamente com uma invocação piedosa ao Senhor Jesus Misericordioso (por ex., “Ó Jesus Misericordioso, confio em Ti”).”

 

TUDO POR JESUS, NADA SEM MARIA!

 

Veja mais: 

Novena à Divina Misericórdia 

Decreto de São João Paulo II sobre a Festa da Misericórdia

Curados para amar – A palavra tem poder OUVIR TODOS